MARÇO

02

1843. Claret continua a pregação da Quaresma, em Igualada (Barcelona), que havia iniciado no dia anterior.

1845. Prega os sermões da Quaresma, em Mataró (Barcelona).

1861. Redige o pequeno ‘Relógio da Paixão’, que inclui uma estampa e um texto, que foi retirado, em parte, de Santo Afonso Maria de Ligório. Sente que Jesus o aprova.

CONSOLIDAÇÃO (1899-1906)

DISPOSIÇÕES GERAIS

Em 1897, foram publicadas as primeiras Disposições Gerais (assim denominadas posteriormente): uma compilação orgânica e sistemática das normas gerais da Congregação. Ou seja, uma síntese das disposições, ordenações e avisos que emanaram dos Capítulos Gerais e das Circulares do Padre Xifré, colocadas por ordem alfabética. O livro apresentava, de forma sintética e sistemática, as orientações pastorais e formativas e as prescrições jurídicas da vida da Congregação, desde o início da sua existência canónica, e que andavam antes dispersas em diversas publicações. Foi um livro prático e pedagógico, que ajudava a encontrar facilmente o que se pretendia. Seria o gérmen daquilo que se tornariam as Disposições Gerais dos anos seguintes e do C.I.A. (Codex Iuris Additicii) e que constituiu a base do nosso direito congregacional. Através delas, além de se garantir a observância, procurava-se dar ao Instituto uma fisionomia e um caráter próprios, como marca distintiva. Estas foram atualizadas mais tarde, nos anos de 1900, 1905, 1906 e 1912. No entanto, havia ainda algumas circulares do Padre Xifré, que não foram incluídas nesse volume.

MARTINHO ALSINA, CMF

V Superior Geral (1859-1922)

Manresa (Barcelona, Espanha). Era seminarista diocesano. Entrou na Congregação, no final do seu primeiro ano de teologia. Foi ordenado sacerdote, em 1883. Iniciou logo o trabalho de formador, que lhe foi confiado pelos seus superiores. Como base da edificação espiritual, exigiu sempre grande lealdade e veracidade dos seus formandos. Simples, gentil, sério e equilibrado, nasceu com dons de comando. Em 1894, foi nomeado superior do Colégio máximo calceatense. Em 1899, após a morte do P. Xifré, foi eleito Subdiretor-Geral. Em 1906, com a morte do Pe. Clemente Serrat, foi eleito Superior Geral, no Capítulo de Aranda de Duero, cargo no qual seria confirmado, em 1912, até à sua morte, em Zafra, a 2 de março de 1922. Imprimiu grande expansão ao Instituto, mediante cerca de trinta fundações, quase todas nas duas Américas. Aceitou a difícil missão do Chocó, na Colômbia. Promoveu um forte impulso ao apostolado da imprensa, com a fundação de editoras e revistas importantes, como Ilustración del Clero, Tesoro Sacro Musical e Commentarium pro Religiosis.

Biografia

Não consigo ficar calado

Por acaso, desejais, minha Mãe, que eu, que sou irmão desses infelizes, fique indiferente perante tal desgraça? Ah, não! Nem o amor que consagro a Deus nem o que dedico ao próximo o podem tolerar. Alguém dirá, porventura, que tenho caridade ou amor a Deus, se, ao ver as fraquezas de um irmão meu, não acorrer em seu auxílio? Mostrarei amor, se, ao saber que há no caminho ladrões e assassinos a roubar e a matar os viandantes, eu não alertar os que andam em viagem? Terei caridade se, ao dar-me conta que os lobos carnívoros estão a devorar as ovelhas do meu amo, eu ficar calado? Arderei em caridade, se ficar em silêncio, ao ver que saqueiam o espólio da casa de meu Pai, as alfaias preciosas que custaram o sangue e a vida de um Deus? E, se verificar que atearam fogo à casa e à quinta do meu amantíssimo Pai, vou continuar sem alertar os demais? (Aut 158).

Ah! Minha Mãe! Não posso ficar mudo e quedo, em tais ocasiões. Nunca ficaria calado, mesmo que soubesse que me iriam desfazer em pedaços. Não quero, não posso nem devo permanecer em silêncio. Clamarei, gritarei, bradarei aos céus e à terra, para que se ponha cobro a tamanha maldade. Ninguém me tapará a boca. E se, de tanto gritar, ficar rouca a minha garganta ou dorida a minha boca, levantarei as mãos ao céu, o meu cabelo eriçar-se-á, e o estrondo que irei provocar, batendo com os pés no chão, representará o fragor da minha indignação. (Aut 159).

PARA REFLEXÃO PESSOAL

  • Sentes-te comprometido com a realidade do nosso mundo?
  • As necessidades dos outros afetam a tua vida apostólica?  “Ai de mim se eu não evangelizar!”
  • Com um colega, escreve um novo Decálogo do Evangelizador.

“O primeiro meio que sempre usei, e ainda utilizo, é a oração. É o meio mais elevado e mais útil para obter a conversão dos pecadores, a perseverança dos justos e o alívio das almas do purgatório” (Aut 264).

1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        

Pin It on Pinterest

Share This