Introdução ao Ano Claretiano

Tocou-nos viver num tempo em que confluem dois fenómenos, que parecem contraditórios: por um lado, há uma indiferença crescente perante o fenómeno religioso (especialmente nalgumas regiões do mundo), e, por outro, sente-se um despertar espiritual que reveste formas muito variadas: a descoberta da inteligência espiritual, a revalorização das espiritualidades nativas, a busca do silêncio e de novas formas de meditação, o gosto pelo compromisso solidário, etc. A Igreja sofre a influência destes dois fenómenos e enfrenta simultaneamente, nas últimas décadas, uma crise de credibilidade sem precedentes. Nós próprios, tentados muitas vezes pelo tédio e pela inconstância, continuamos a tentar encontrar, hoje, aquilo que nos seduziu, no começo da nossa fé. A exemplo do salmista, confessamos que ‘a nossa alma está sedenta de Deus, do Deus vivo’ (Sal 42, 3). Ao lado de tantos homens e mulheres das nossas igrejas particulares, tomamos consciência de que, sem raízes e sem espiritualidade, a nossa vida missionária estiola e perde credibilidade. Como propor, neste contexto tão plural, um caminho que, bebendo no poço da nossa tradição claretiana, nos ajude a viver, na hora atual, uma espiritualidade, centrada no seguimento de Cristo, e aberta às novas moções do Espírito Santo?

            Nas últimas décadas, a Congregação propôs-nos diversos itinerários de crescimento espiritual, que continuam a revelar-se úteis. Sublinhemos o projeto Palavra-Missão (1993-2000) e a Frágua na vida quotidiana(2011-2014), que brotou da declaração capitular Homens que ardem em caridade (2009). Em ambos os casos, colocava-se o acento tónico na importância dos processos, mais que em ações pontuais. Embora seja difícil avaliar a sua eficácia, eles ajudaram a Congregação a ‘dar qualidade à nossa vida missionária, como servidores da Palavra (projeto Palavra-Missão), a reviver a experiência do Fogo e a crescer no ardor missionário’ (projeto a Frágua na vida quotidiana).

            No tempo presente, seguindo as orientações do XXV Capítulo Geral, a Congregação convida-nos a palmilhar um novo caminho ‘que ajude todos os claretianos, pessoal e comunitariamente, a conhecer e a viver, com profundidade e paixão, o nosso belo património espiritual’ (MS 74.1). A Prefeitura Geral de Espiritualidade assumiu o encargo de gizar este itinerário formativo e espiritual, cujo fruto apresentamos à Congregação, com a viva esperança de que se torne um instrumento apto e eficaz para que esta continue a crescer na fidelidade ao dom da vocação missionária.

O Ano Claretiano, que apresentamos agora, coloca o foco no conhecimento e na vivência do nosso belo património espiritual. Quando a declaração capitular cognomina de belo este património, está a incitar-nos a que nos deixemos surpreender e atrair por ele. A beleza é uma via privilegiada de acesso ao mistério de Deus. O Senhor outorgou-nos um belo caminho de encontro com Ele, através da mediação histórica de Santo António Maria Claret e da Congregação Quanto mais o admiremos, conheçamos e assimilemos, melhor serviremos o povo de Deus e mais facilmente encontraremos novas motivações para melhorar a nossa vida pessoal e comunitária. A nossa identidade carismática não consiste numa fórmula fixa que temos de preservar, mas numa experiência de vida que devemos acolher e refazer. Esta experiência coloca-nos em ligação com aqueles que, ao longo da nossa história, encarnaram o carisma recebido.

Como nos recordava o P. Geral na apresentação, citando o Papa Francisco, “A juventude de um Instituto está garantida se formos às raízes, escutando os mais velhos… não há crescimento sem raízes, nem florescimento sem rebentos novos”. A Congregação é um organismo vivo, em constante evolução. A sua geografia humana alterou-se muito, nas últimas décadas. Estamos a diminuir na Europa e na América, continentes de rica tradição claretiana, e a crescer com pujança, em África e na Ásia. Nem sempre foi fácil conhecer, assimilar e enriquecer, nas várias vertentes, este património. O Ano Claretiano pretende ser um instrumento de uso diário, que deve acompanhar os claretianos do mundo, ao longo de todos os dias do ano, nesta aventura que visa dar a conhecer melhor as nossas raízes, a fim de revitalizar a nossa vida.

O projeto apresenta-se em três formatos complementares: livro, página web e aplicação para dispositivos móveis.

O livro faculta, para cada dia do ano, duas páginas (par e ímpar), que constituem um todo. Essas duas páginas estão divididas em diversas secções, que se mantêm fixas, ao longo do ano.

Nas páginas pares, são apresentadas:

– Diversas datas significativas de vida de Claret, retiradas dos vários itinerários, que se foram reconstruindo nos últimos anos. São uma forma dinâmica de nos familiarizarmos, dia a dia, com a vida do Fundador, e um convite a ler algumas das biografias que se escreveram sobre ele.

– Um trecho, referente à história da Congregação. A síntese desta está sintetizada em dezassete etapas e encontra-se na sequência da introdução deste livro, para que o leitor disponha de uma visão de conjunto.

– A biografia de um personagem (claretiano ou não), que tenha desempenhado um papel significativo na vida de Claret ou da Congregação.

A indispensável concisão impediu que se fizessem extensos desenvolvimentos que, nalguns casos, constam da página web. Assim, complementam-se os dois instrumentos. O nome dos personagens, que aparece com letra negra, indica que há sobre eles uma breve resenha autobiográfica, nalgum dia do ano, o qual, sempre que possível, coincidiu com a data da sua morte. O dia concreto de cada um pode-se encontrar no índice onomástico, que figura no final do livro.

 Nas páginas ímpares, há a possibilidade de ler e aplicar à própria vida as duas fontes da nossa espiritualidade:

– De janeiro até ao fim de junho, a Autobiografia do Fundador; de julho ao final de dezembro, as Constituições e alguns extratos das recentes declarações capitulares.

– Os textos selecionados induziram-nos a inserir algumas perguntas ou exercícios, na secção intitulada: Para reflexão pessoal, que procuram ajudar a iluminar a vida pessoal.

A proposta finaliza com uma frase inspiradora, extraída das nossas fontes claretianas ou de outras fontes cristãs e laicas.

A página web, além de conter todos os materiais do livro, fornece ampliações, arquivos de vídeo e áudio, sugestões para o retiro de cada mês, bem como outros subsídios para a oração pessoal e comunitária e para a celebração das festas claretianas. Facilita igualmente a partilha de reflexões, comentários e propostas várias. Está interligada com algumas redes sociais, para facilitar a rapidez de comunicação e, sobretudo, a participação dos claretianos.

A aplicação para aparelhos móveis coloca à disposição dos utentes um menu reduzido, que permite o acesso aos conteúdos principais do projeto, quando não se dispõe do livro ou da página web. Serve, sobretudo, para o missionário que viaja com frequência e nem sempre pode transportar consigo o livro.

A elaboração do Ano Claretiano exigiu um trabalho ingente. O facto de se dever compulsar muitos dados, e de os sintetizar em textos breves e precisos, exigiu mais tempo do que o previsto. Solicitamos ao leitor que seja indulgente com possíveis erros, desajustamentos ou omissões. É óbvio que, numa galeria de 366 personagens, não constem todos os claretianos que deveriam estar presentes, mas acreditamos que todos os selecionados – especialmente os nossos irmãos mártires – representam a extraordinária variedade da Congregação, nestes mais de 160 anos de história. A predominância de claretianos de origem europeia ou americana (todos eles, já falecidos) deve-se à circunstância de a Congregação, no seu primeiro centenário de existência, se ter desenvolvido quase exclusivamente na Europa e na América.

Agradecemos o trabalho, levado a cabo pelos membros e colaboradores do Centro de Espiritualidade Claretiana (CESC) de Vic e do Centro da Frágua de Los Negrales, pela competência e dedicação que demonstraram. Merecem menção especial os claretianos Vicente Sanz Tobes (que redigiu as resenhas biográficas, assim como boa parte da história da Congregação), Louie Guades III (que fez a maquetagem do livro e desenhou a página web) e Maximino Cerezo Barredo (que desenhou os logotipos de cada secção). Os dois primeiros fazem parte da comunidade da Cúria Geral e colaboram nas suas atividades.

Um projeto deste tipo ajuda a manter acesa a chama da nossa espiritualidade, mas não nos dispensa de fazermos um esforço por o ampliar e aprofundar. Como é óbvio, o leitor não pode encontrar nele uma biografia crítica do Fundador, uma história completa da Congregação ou um tratado sistemático de espiritualidade claretiana. O Ano Claretiano tem em mente um objetivo mais modesto, mas de carácter prioritário: ajudar a Congregação do séc. XXI, hoje mais intercultural do que nunca, a beber do mesmo poço carismático, a fim de imprimir qualidade ao nosso testemunho missionário nas diversas regiões do globo. O projeto visa despertar a curiosidade, suscitar interesse, aumentar o amor, cultivar a gratidão e incentivar a criatividade missionária. É bonito o retrato de uma comunidade mundial, que peregrina, meditando os mesmos conteúdos da nossa tradição comum e enriquecendo-se com a variedade das suas culturas, línguas e experiências apostólicas. A progressiva versão do texto, nas línguas mais usadas na Congregação, facilitará uma ampla difusão e o seu uso habitual.

O ideal seria que os claretianos se servissem deste instrumento, todos os dias do ano, desde 1 de janeiro a 31 de dezembro. Por se tratar de um ano tipo, o Ano Claretiano pode repetir-se, as vezes que acharmos conveniente. As atualizações anuais constarão da página web. É recomendável que, além deste livro, disponhamos também de um caderno pessoal, para executar alguns exercícios que são propostos na secção Para reflexão pessoal.

O livro Ano Claretiano recebe um complemento ideal, com o livro Claret contigo, editado pelo CESC de Vic, que nos faculta, para cada dia do ano, um texto de Claret e uma breve meditação sobre o mesmo. Desta forma, enriquece o conhecimento do nosso Fundador. Os dois livros servem também para manterem a animação das comunidades. Podem-se ler, por exemplo, algumas secções, durante a oração comunitária. E o mesmo se diga, noutros momentos de formação permanente ou na reunião da comunidade. A animação, por parte dos governos dos Organismos e dos superiores locais, será indispensável para fazer com que toda a Congregação avance, jubilosa, “no caminho do Senhor e proclame, com a sua vida e missão, a supremacia de Deus, palmilhando o itinerário de vida espiritual do nosso Fundador” (cf. MS 74).

Encomendamos o fruto deste projeto à nossa mãe, Maria, em cujo Coração Imaculado nos forjamos como missionários, ao estilo de Santo António Maria Claret. A ‘revolução da ternura’, que Ela representa, vai ajudar-nos a combater a ‘dureza de coração’ (sclerocardia), que às vezes nos torna duros e que paralisa a nossa vida missionária. O nosso Fundador, nos propósitos de 1870, escritos cinco meses antes da sua morte, dizia: “Tenho que ser como uma vela, que arde, gasta a cera e reluz, até que morre”. Também nós, movidos pelo Espírito de Jesus, queremos empenhar-nos em atingir a plena maturidade de Cristo, para comunicar aos outros, com maior eficácia, a graça de Cristo (cf. CC 51).

 

Roma, 19 de março de 2019

Solenidade de S. José, Padroeiro da Congregação

Gonzalo Fernández Sanz, CMF

Prefeito Geral de Espiritualidade

Pin It on Pinterest

Share This