ABRIL

27

1854 A fim de promover a agricultura, Claret propõe ao Capitão Geral da Ilha de Cuba a criação das Caixas paroquiais de poupança.

1858 Parte de Madrid para Aranjuez, de onde depois acompanhará os reis, na viagem para Alicante e Valência. É a primeira digressão real em que participa; vai dispor de muitas oportunidades para pregar.

1868 Dá a sua aprovação ao P. José Xifré para a fundação de La Selva del Camp (Tarragona) e oferece-se para custear as despesas com a reparação do edifício.

TEMPO DO MARTÍRIO (1934-1937)

A GRAVIDADE DOS ACONTECIMENTOS, EM ESPANHA

O que de mais relevante aconteceu, durante este período, e que iria influir na morte rápida do P. Felipe Maroto, foram os acontecimentos da guerra civil espanhola. A Congregação começou a tingir-se de vermelho, com o sangue dos seus mártires, a partir de julho de 1936. Tudo isto derivou do chamado Levantamento Nacional, de 18 de julho. Ficaram suspensos todos os ministérios e foram mortos 271 professos, entre sacerdotes, estudantes e Irmãos. Sofreram-se também enormes perdas materiais. Em todo caso, esta dolorosa hecatombe tornou-se uma glória para a Congregação, que teve no seu seio tantos filhos mártires, muitos deles já beatificados. Neste período, foram quase totalmente canceladas as expedições missionárias para o ultramar.

Que aconteceu em Espanha, em 1936, para que quase 7.000 pessoas, incluindo bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas, a residir na zona republicana, fossem mortas, simplesmente pelo facto de o serem? Certamente que os tempos que se viviam em Espanha auguravam um desenlace dramático para os crentes, particularmente para os sacerdotes e religiosos. E foi isso que, afinal, aconteceu.

MARCOS CASTAÑER

Fundador (1815-1878)

Mataró (Barcelona, España).

Devido à situação política espanhola, decidiu, em 1838, ir para Roma, onde foi ordenado sacerdote, em 1839. Permaneceu em Itália até 1845, exercendo o ministério da pregação e prosseguindo os seus estudos. Durante esses anos, entrou em contato com os Padres Filipenses, em Roma, e deixou-se cativar pela vida e pelos ensinamentos de São Filipe Néri. Foi Diretor de duas Congregações Religiosas, em Mataró, entre 1846 e 1856, constituindo diversas Congregações marianas. Morreu, em Barcelona, a 25 de abril de 1878. Em 1858 fundou, com sua irmã Gertrudes, as Filipenses Missionárias do Ensino. O Padre Claret teve influência na fundação, consolidação e propagação deste Instituto. Desde que, em 1845,pregou uma Quaresma, em Mataró, manteve sempre uma grande amizade com os dois irmãos. Apoiou a sua fundação, em 1859, e, em 1870, teve oportunidade de, em Roma, os incentivar nesse trabalho, apesar da perseguição em Espanha, animando-os a estenderem-se para fora de Mataró.

UMA VIAGEM BEM APROVEITADA

Prosseguimos a viagem para Cuba… Os nossos aposentos estavam divididos em duas secções: no espaço compreendido entre o mastro-mor e a popa, ficámos instalados eu e os meus companheiros; na zona entre o mastro e a proa, ficaram as Irmãs, em compartimentos totalmente incomunicáveis, separados, aliás, por portas rolantes. Levantávamo-nos todos os dias, pela manhã, a uma hora fixa, tratávamos da higiene pessoal e tínhamos meia hora de oração mental, em comunidade. As Irmãs faziam o mesmo, nas suas instalações. Finda a meditação, celebrava-se a missa no mesmo local, utilizando um altar que aí tínhamos armado (Aut 506).

Concluídas estas primeiras devoções, tomávamos chá na coberta do navio e, depois, cada um dedicava-se a estudar o que achasse mais conveniente. Às oito horas, reuníamo-nos de novo no compartimento e rezávamos, em comunidade, as horas menores. Tínhamos, em seguida, conferências de Moral, até às dez, que era a hora do almoço. Descansávamos depois e estudávamos até às três da tarde, hora em que rezávamos vésperas, completas, matinas e laudes. Dispúnhamos ainda de nova palestra, até às cinco horas, quando íamos jantar. Às oito, congregávamo-nos de novo, rezávamos o rosário e outras devoções, e participávamos de uma conferência sobre ascética. No final do dia, tomávamos uma chávena de chá, antes de recolher aos nossos camarotes (Aut 507)

PARA REFLEXÃO PESSOAL

 

Claret esforçou-se por aproveitar ao máximo, apostolicamente, o seu tempo, até durante as viagens.

  • Como organizas o teu tempo, cada dia?
  • Sentes que não o aproveitas devidamente?
  • Desenha um relógio com 24 horas e indica a distribuição do tempo, num “dia missionário”. Procura ser realista.

“Lembra-te que: não obteres o que pretendes constitui, por vezes, uma grande bênção.” (Dalai Lama)

Pin It on Pinterest

Share This