ABRIL

22

1846 Conclui a missão de Espluga de Francolí (Tarragona).

1859 Profere o Sermão sobre as Sete Palavras, na Colegiada de Santo Isidro (Madrid).

1863 Começa a redigir, em Aranjuez, O Seminarista Instruído, sobre o qual pede instruções à Madre Paris. Leva quatro meses a editá-lo.

NOVA EXPANSÃO (1922-1934)

A BEATIFICAÇÃO DO PAI CLARET

Em 25 de fevereiro de 1934, colheu-se o primeiro fruto dos esforços envidados pelos claretianos para verem beatificado o seu Fundador. Por motivo da Beatificação, surgiram, de toda a parte, inúmeros decretos, discursos e felicitações. Claret foi apresentado publicamente, à Igreja e ao mundo, como um homem que viveu plenamente a vocação cristã como missionário apostólico e, a partir desse momento, pôde ser apontado como intercessor e estímulo para a caminhada da santidade. Mas o mais eloquente foi sem dúvida o discurso do Papa Pio XI e as palavras que dirigiu, em diversas ocasiões, ao povo e à Congregação, por ocasião deste evento. Eis algumas delas: Parabéns a Espanha… por este herói da santidade, que conhecia tão bem a sua nação, à qual dedicou toda a sua vida, em todas as vertentes, até nos períodos de turbulência e nos sustos da pré-revolução. Para os Claretianos, celebrar esta data constituiu uma ótima oportunidade para recordar que todos, como Claret, estavam chamados a seguir Jesus missionário, com dedicação total, integra e apaixonada.

JAIME PASSARELL

Conselheiro de Claret (1803-1864)

Moyá (Barcelona, España). Licenciado em Teologia, pela Universidade de Cervera. Era amigo íntimo dos bispos Corcuera e Casadevall. Foi professor catedrático de Filosofia, no seminário de Vic. Revelava um grande talento e era firme e incansável no cumprimento dos seus deveres. Foi um grande amigo e o conselheiro especial do P. Claret. Foi das pessoas a quem o P. Claret apresentou a ideia de fundar a Congregação, para além do P. Jaime Soler, mais tarde bispo de Teruel. Ambos aprovaram o projeto. Também aos dois e aos PP. Bach e Estêvão Sala, Claret pediu conselhos sobre se deveria ou não aceitar a mitra de arcebispo de Santiago de Cuba. Quando o Fundador era ainda jovem sacerdote, consultou-o também sobre a conveniência de colocar por escrito o teor das palestras de Exercícios, que havia dado a umas Irmãs de Vic. A resposta foi: Acho que vai ter um trabalho muito custoso; o melhor seria que o mandasse imprimir. O P. Jaime faleceu, a 23 de abril, em Vic.

A FUNDAÇÃO DA CONGREGAÇÃO

No dia 16 de julho de 1849, estando nós reunidos, com permissão do senhor Bispo e do Reitor, demos início aos santos exercícios espirituais no Seminário, com todo o empenho e fervor. E, como nesse dia 16 se celebrava a festa da Santa Cruz e de Nossa Senhora do Carmo, escolhi, como tema da prática, aquelas palavras do salmo 22: Virga tua et baculus tuus ipsa me consolata sunt (A tua vara e o teu cajado me servirão de apoio). Aludi à devoção e à confiança que devemos ter na Santa Cruz e na Virgem Maria, e apliquei todo o salmo ao objetivo que tínhamos em vista. Todos saímos daqueles Exercícios cheios de fervor, decididos e determinados a continuar. Graças a Deus e a Maria Santíssima, todos perseveraram até ao fim. Dois já faleceram e encontram- se atualmente na glória celeste, gozando da luz de Deus e do prémio pelos seus trabalhos apostólicos, e intercedendo pelos irmãos (Aut 490).

Foi assim que começámos e prosseguimos, observando sempre uma vida perfeitamente comum. Continuámos todos a dedicar-nos ao sagrado ministério… (Aut 491)

PARA REFLEXÃO PESSOAL

 

  • Que significa, para ti, celebrar o dia da fundação da nossa Congregação?
  • O que é que te atrai mais, na nossa Congregação missionária?
  • Que reminiscência te deixa o dia da primeira profissão e, anos mais tarde, o teu compromisso definitivo?

“O estudo, a meditação e a contemplação da Palavra devem ocupar um lugar fundamental, na vida daqueles que têm como vocação, no Povo de Deus, ser ministros da palavra” (CPR 54).

Pin It on Pinterest

Share This